NEM BIBLIOTECAS NEM LABORATÓRIOS

Por Luiz Gonzaga Rocha

meninos-com-livros

O artigo de Arnaldo Niskier com o título destacado acima, publicado no jornal "Correio Braziliense", de 04 de maio do corrente ano de 2015, chamou nossa atenção, por alguns fatos singulares: primeiro, por apontar que 65% das escolas brasileiras não tem biblioteca regularmente constituída e 44% delas não conhecem laboratórios ou computadores; depois, a destinação de 6,1% do PIB, quando o ideal seria que os recursos para educação fossem até 10% do Produto Interno Bruto; e por fim, a necessidade de incentivar o hábito da leitura nas classes iniciais de alfabetização.

Estes são, sem dúvida, pontos cruciais que precisam ser analisados com lupa especial, seja por apontar o tripé necessário para que o salto de qualidade educacional que o país - denominado pátria educadora - tanto almeja; seja por apontar a necessidade de remunerar melhor os educadores, em todos os níveis; ou seja, por apontar os benefícios de se conviver com livros a partir da primeira idade educacional.

A minha ideia não é provocar o Governo e/ou os governantes e educadores para o adequado entendimento da falta que uma biblioteca faz para a comunidade escolar e para a sociedade, em geral, mas para a necessidade de despertar a consciência crítica dos governantes e administradores educacionais no sentido de entenderem que o proclamado crescimento econômico brasileiro passa, necessariamente, pelo hábito da leitura.

Nenhum país constrói cidadania sem educação de qualidades e sem leitura. Fiquem com o artigo do Professor Arnaldo Niskier, que muito me agrada poder compartilhar com você. Boa leitura.

grafico

 

NEM BIBLIOTECAS NEM LABORATÓRIOS

Por Arnaldo Niskier

Há um movimento, em nosso país, no sentido de estimular as crianças, desde o pré-escolar, a gostar de leitura. Mais gosto do que hábito, pois este configuraria uma indesejável imposição. Se os alunos se tornarem bons leitores, nas classes iniciais de alfabetização, cedo passarão a conviver com os livros, numa indispensável relação de cumplicidade. Quando isso acontece já na puberdade os resultados não são os mesmos. É claro que tudo depende das atitudes tomadas pelos professores do pré-escolar, aos quais se deve somar a contribuição necessária dos pais.

Vimos em Tóquio, e em visita à capital japonesa, o quanto a presença dos pais no processo é fundamental. Em geral, antes de dormir, a criança japonesa pede a presença do pai ou da mãe ao seu lado, lendo algum livro, até que venha o sono. Por isso, é muito alto o índice de leitura do povo japonês. O gosto pela leitura é adquirido desde cedo e os meios oficiais, por intermédio de inúmeras bibliotecas, faz a sua parte, com abundante e diversificada oferta.

Pesquisas recentes (Censo Escolar de 2013) mostram que 65% das escolas brasileiras não tem biblioteca regularmente constituída e 44% delas não conhecem laboratórios ou computadores. Por aí se vê como é brutal o esforço para se alcançar a necessária qualidade do ensino, mesmo quando já existem, no sistema, benfeitorias como a nuvem de livros, que hoje alcança o número de 2,5 milhões de acessos, ao preço simbólico de R$ 3,49 por semana.

No lançamento da quinta Olimpíada do Saber, nas instalações da Unisuam, em Bonsucesso, tivemos o ensejo de fazer algumas observações sobre o atual estágio do ensino médio em nosso país. Defendemos a adequada formação dos professores e a sua correta remuneração, o que infelizmente não está ocorrendo. Todos sabemos que é preciso investir, mas o que se ouve é a existência de sérias dificuldades para que isso ocorra. Devemos chegar a 6,1% do PIB, o que pode acontecer, mas o ideal seria que os recursos para educação fossem até 10% do Produto Interno Bruto. Como subir esses números se a divulgação denuncia que foram cortados R$ 7 bilhões dos recursos do MEC, numa brutal contenção?

Se isso acontece no plano federal, pior é o que está se passando em nível estadual, quando os reflexos podem ser mais claramente sentidos. Nossa precariedade, medida pelo comportamento dos alunos em leitura, matemática e ciências, deve sacrificar o proclamado crescimento econômico, com particularidade de que meninos e meninas demonstram grande dose de nervosismo diante dos problemas que lhes são apresentadas (os meninos menos do que as meninas).

De toda forma, manter os jovens nas salas de aula é um grande desafio. Existe uma evasão muito grande, notadamente nas regiões mais pobres do país. Além disso, segundo dados do Banco Interamericano de Desenvolvimento, registra-se grande número de jovens que jamais frequentou a escola. Isso acontece, põe exemplo, nas chamadas UPPS (Unidades de Polícia Pacificadora). Há 25 delas no Rio de Janeiro, onde ocorre o fenômeno, a merecer providências inadiáveis. A solução depende mais da vontade política do que de recursos financeiros. É grande o desafio de elevar a escolaridade média. Hoje, um em cada cinco jovens de 15 a 19 anos não estuda nem trabalha, conforme dados do IBGE.

Essa realidade induz os sistemas de ensino a um fenômeno comum, que é a distorção idade/série. A clientela escolar se atrasa no que deveriam ser as séries respectivas, ou seja, o ano de entrada é defasado. Em consequência, promove-se uma reação em cadeia e a criança termina o 9º ano do ensino fundamental não com ao previstos 15 anos, no máximo, mas com 18 ou 19, atrasando a frequência ao ensino médio, quando é possível acompanhar o curso com o chamado primeiro emprego. Esse fator é um dos indutores da desistência proclamada, uma das razões da perda de eficácia sobretudo da educação pública brasileira. Quem sabe, aí poderá estar uma das causas principais da violência assinalada em nossas escolas - e que tanto preocupa país e professores?

ArnaldoArnaldo Niskier - membro da Academia Brasileira de Letras, professor titular aposentado pela UERJ e emérito da Ucam.

Postagem: www.unidosporbrasilia.com.br - 11/05/2015 - LGR

Comentários

 logo-esoteric-mundi

Agenda

Junho 2018
D S
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30

Contador de Acessos

Brasília

Vinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo Slider

Facebook

Desenvolvimento, Hospedagem e Manutencao por IBS WEB .'.